Mamíferos

Dentre as espécies de mamíferos, destacam-se a Anta brasileira (Tapirus terrestris) – o maior mamífero da América do Sul –, queixada (Pecari tajacu), cateto (Tayassu tajacu) e capivara (Hydrochoerus hydrochaeris). Este animais de grande porte se alimentam basicamente de plantas e raízes, movendo-se rapidamente pela floresta devido às suas pernas pequenas e compactas e aos seus corpos alongados. A anta e a capivara são muito atraídos pela água e são geralmente vistos ao longo da margem do rio nos meses de julho a outubro.

Outros mamíferos incluem as ariranhas (Pteronura brasiliensis) e a lontra (Lontra longicaudis), que são excelentes nadadoras e caçadoras de peixes. 

A floresta é também habitada por diversas espécies de macacos, como o endêmico macaco-aranha-de-cara-branca (Ateles marginatus), macaco-da-noite (Aotus infulatus), macaco-prego (Sapajus apella), bugio-de-mão-vermelha (Alouatta discolor), o Cuxiú-de-nariz-branco (Chiropotes albinasus), o raro Sagui branco (Mico emiliae) e o Zogue-zogue (Callicebus moloch). Dessas espécies, os macacos prego, aranha-de-cara-branca, cuxíu-de-nariz-vermelho e bugio-de-mão-vermelha são comumente avistados.

Outras espécies menos comumente avistadas incluem o tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla), tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), a irara (Eira barbara), o tímido bicho-preguiça (Bradypus variegatus) ou a preguiça-real (Cheloepus didactylus). Já os raros encontros com a onça pintada, a onça preta (Panthera onca) ou o puma (Puma concolor) ocorrem somente uma ou duas vezes por ano.

OBSERVAÇÃO DA FAUNA NA AMAZÔNIA

Apesar da enorme biodiversidade, é importante levar em conta que a observação de animais na Amazônia é mais desafiadora que em ambientes de cerrado, pois a floresta é alta e densa. Além disso, muitas espécies apresentam baixa densidade populacional, devido à maior complexidade do ecossistema. Por outro lado, a recompensa é muito gratificante. Encontros com espécies endêmicas e especialistas ocorrem com frequência e existe uma variedade muito grande dentro das espécies observadas, fazendo com que o Cristalino Lodge nunca deixe de entreter e impressionar o visitante observador.

Além disso, o Cristalino Lodge segue as normas de turismo responsável, não alimentando animais nem interferindo no seu habitat natural, de forma que as espécies da fauna estão verdadeiramente sendo avistadas de acordo com seu comportamento natural.

Na minha primeira semana no lodge eu observei cinco espécies de macacos, incluindo os lindos e ameaçados cuxiú e macaco-aranha-de-cara-branca, antas, porcos do mato e até mesmo veados. É por isso que voltei mais três vezes ao Cristalino e pretendo voltar muitas mais. A reserva do Cristalino é uma verdadeira jóia em meio ao Brasil! Acima: Macaco bugio-de-mãos-ruivas (Alouatta discolor).
JOÃO PAULO KRAJEWSKI. Fotógrafo e cinegrafista da natureza.
Home